Etiqueta: Roça São João dos Angolares

São Tomé e Príncipe, Paraíso Tropical

Mais uma vez em África a sorver rara beleza, mais uma vez encantada com a força da natureza.
Neste arquipélago, gostei especialmente do esplendor da floresta, que considero uma bênção que nos refresca o corpo e revigora a alma. Ver os abundantes e variados frutos suspensos nas árvores, caminhar por entre os coqueiros, palmeiras, bananeiras, embondeiros e tantas outras espécies do mundo arbóreo e vegetal, é, sem dúvida, uma experiência única.

A orla marítima é outra atracção, pois, ao espreitar-se, por entre a vegetação, as enseadas rochosas banhadas pelo mar e adornadas com coqueiros reflectidos na água azul-turquesa, dir-se-ia que se vislumbra o paraíso.

No ilhéu das Rolas, subimos, por entre densa vegetação, o morro que nos leva ao marco do Equador, aqui fixado há cerca de 100 anos por Gago Coutinho. Encontrar-me no topo do mundo, no traçado onde os hemisférios norte e sul se encontram a zero graus, foi tão emotivo como ter chegado a Machu Picchu no Peru, que concretizou um dos meus grandes sonhos.

Imagem: Revista Saber Mais

Tanto em São Tomé como no Príncipe, visitámos algumas roças onde se cultiva e produz o cacau e também o café. Não imaginava a grandeza de algumas delas: casas fabulosas, algumas de arquitectura colonial, hospitais, casas dos trabalhadores, fábricas, armazéns, etc. Apesar de uma considerável parte se encontrar degradada, dá para ver a sua magnitude e imaginar como, em tempos idos, seria intenso o labor daquelas roças.

Entre elas, há uma muito especial, a Roça São João. E quem não se lembra de ver na RTP o chef João Carlos Silva a cozinhar “Na Roça com os Tachos”? Tivemos o privilégio da sua presença, simpática e acolhedora, durante o nosso almoço no seu restaurante/museu, de aspecto rústico mas com requinte, a funcionar num velho edifício restaurado.

Imagem: Roça São João dos Angolares

Bastante me emocionou conhecer a Roça da Saudade, casa-museu onde nasceu Almada Negreiros, talvez por muito admirar a sua arte plástica e a sua poesia. Sob o alpendre, onde almoçámos, espraia-se uma extensa vista deslumbrante para a floresta equatorial.

Também a nossa visita à fábrica de chocolate de Claudio Corallo, considerado, por muitos especialistas, o melhor do mundo, foi bastante interessante. Aí ficámos a saber de todos os trâmites do cacau até chegar aos diversos e saborosos chocolates. Saímos satisfeitos com a simpatia da apresentadora e os conhecimentos adquiridos.
Imagem: Claudio Corallo

Durante as nossas deslocações por caminhos de terra batida, cor do barro, fui observando como vivem os são-tomenses e houve situações que me remeteram aos nossos anos 1950. Uma delas foi ver galináceos, patos, cabritos e porcos vagueando pelas ruas e quintais à procura de alimentos. Outra foi a lavagem de roupa nas ribeiras e depois a secar sobre pedras, que os meus olhos viram como tela colorida em enorme dimensão.
Imagem: Bruno Correia

Gostei muito de muita coisa, uma delas foi o acolhimento e simpatia dos são-tomenses, a boa comida e os excelentes resorts, outra o falarmos a mesma língua, que me fez sentir em casa, mas inegável foi também a tristeza que senti de ver um património fabuloso, tão degradado, no seio do paraíso.

Fonte: Fugas

Guia do que não perder em São Tomé e Príncipe

Com roças e praias sem fim, cheiro a café e sabor a cacau, as ilhas de São Tomé e Príncipe guardam vários encantos. Do mar de peixe maravilhoso às florestas densas, nove sugestões a não perder.

Ilhas lindas, de roças e praias sem fim. Com cheiro a café e sabor a cacau, mar de peixe maravilhoso e florestas densas de verdes únicos. São Tomé e Príncipe de criançada a correr, de gargalhada fácil, de povo simples de sorriso inteiro. Ilhas de banana e fruta-pão, de coqueirais e de história nossa, o cenário perfeito para uns dias entre mergulhos e passeios. Aqui fica o roteiro do que não pode mesmo perder nas duas ilhas.

Em São Tomé

Uma praia

A Praia Inhame, no Sul de São Tomé, mesmo em frente ao lhéu das Rolas, é uma das praias bonitas da ilha. Tem um lodge, um restaurante com bom peixe e um projeto de preservação das tartarugas marinhas. Nesta praia pode também alugar um barco para ir até às Rolas, a travessia demora cerca de 15 minutos.

 

 

Um lodge

O Mucumbli fica na Ponta Figo, na costa Oeste, e é um dos melhores alojamentos da ilha. Tem uma dúzia de cabaninhas no topo de uma falésia, todas com uma vista única, e ainda uma praia semi-privada e um restaurante de comida biológica.

Um restaurante

Na Roça São João dos Angolares tem oportunidade de provar as melhores iguarias de São Tomé e Príncipe recriadas pelas mãos do chefe João Carlos Silva. Cada almoço de degustação conta com meia dúzia de entradas, um prato e uma sobremesa e custa 20 euros por pessoa. O repasto é único e a vista da roça também. Reservas obrigatórias através da página de Facebook.

Um dia bem passado

Procure o Club Santana, um resort 15 quilómetros a Sul da cidade de São Tomé. Não é preciso ficar hospedado para poder passar lá o dia. Quem não for hóspede pode pagar um bilhete de entrada e usufruir da praia, da piscina e do restaurante à beira-mar. É o sítio ideal para passar um dia entre o mar e a espreguiçadeira. O preço do bilhete — 10 euros por pessoa — pode ser descontado em consumos no restaurante ou no bar.


Um sítio para beber um copo

Mais perto do centro, junto à praia e com vista para a mesma, fica o “Pirata”. Restaurante bem enquadrado, decorado e com boa confecção. Por vezes, no fim de semana e feriados, tem música ao vivo e muita animação..

 

Uma roça

Há muitas roças em São Tomé, mas a Roça da Boa Entrada é das que têm melhor energia. Talvez por ainda conservar lá dentro uma escola e não faltarem crianças a correr ao encontro de quem chega. Resista à tentação de distribuir doces. Se quiser dar alguma coisa, dê roupa ou material escolar a uma instituição local que depois fará a distribuição dos bens da melhor forma.

Na Ilha do Príncipe

Uma praia

A Praia Banana é considerada a mais bonita da ilha e é fácil perceber porquê. Cá em cima, do alto da Roça Belo Monte, a vista sobre o mar turquesa e a vegetação é soberba. Lá em baixo, o areal branco e as águas transparentes confirmam o cenário.

 

Um hotel

O Belo Monte Hotel, uma antiga roça restaurada e convertida num hotel de charme. Um espaço lindo que nos transporta para outro tempo, onde os quartos são soberbos e o atendimento de uma simpatia única. Quarto duplo a partir de 260 euros com pequeno almoço e jantar incluídos.

Uma roça

A Roça do Terreiro Velho é a única da ilha onde existe produção de cacau. É daqui que vêm os fantásticos chocolates Claudio Corallo e que se tem — não nos cansamos de escrevê-lo — a vista mais bonita da ilha.

Saiba mais:

MELHORES HOTÉIS —> CLIQUE AQUI
MELHORES RESTAURANTES  —> CLIQUE AQUI
MELHORES PONTOS TURÍSTICOS  —> CLIQUE AQUI

Como ir

Reserve Voos baratos para São Tomé ida e volta  desde 489€

Créditos com adaptação: Observador.pt | Catarina Serra Lopes | Jacques Le Roux | Dário Paraíso | Cruza Mundos | Bruno Correia

O “Senhor” dos tachos da Roça São João dos Angolares

A Roça de São João dos Angolares fica no sul da ilha de São Tomé. Uma antiga exploração agrícola herdade do tempo da colonização portuguesa que, tal como outras, é dotada de casa principal, hospital e senzalas. É numa casa principal toda recuperada, respeitando toda a traça original e mantendo o espírito colonial nos seus quartos, que os hóspedes podem descansar adormecendo e acordando com o embalar do vento nas árvores e o chilrear dos inúmeros pássaros coloridos que aqui habitam e convivem com os turistas e habitantes. No hospital hoje pode-se encontrar o Hospital da Criação, um projecto da Roça Mundo que busca o ensino do artesanato e artes locais nas mulheres de São João dos Angolares como forma de rendimento e inserção numa sociedade pobre. Esta Roça é dotada de uma magnífica varanda onde se podem degustar os inúmeros pratos típicos, e também uma cozinha de fusão africana, preparados pelo conhecido João Carlos Silva, brindando os clientes com uma vista frondosa sobre a baía de São João dos Angolares.

 Roça São João dos Angolares
© Steve Ababio

Com preocupações socais, a roça iniciou um projeto de combate à pobreza e à exclusão social, através da criação da Fundação ROÇA-MUNDO, vocacionada para a capacitação e acompanhamento da comunidade para o auto-emprego e melhoria da sua qualidade de vida. Assim, na ponte criada entre ecologia, eco-cultura, economia e emprego na Roça S. João, existe uma preocupação pela sustentabilidade com vista a um futuro melhor.




O seu lugar ideal para relaxar! A Roça possui hammock para que hóspedes possam relaxar em grande estilo. 😌 😊

A Roça São João dos Angolares cada vez mais remodelada, mas mantendo sempre o traço arquitetónico, possui 11 quartos com casas de banho privativas com preços a partir de 35€ até 60€ com o pequeno almoço incluído. Podem ainda usufruir as belas vistas que podem ser contempladas pela varanda do restaurante onde é servido e confecionado o menu de degustação com a performance do chef João Carlos Silva todos os dias a partir de 20€ por pessoa. Podem participar em caminhadas com o guia local, em cursos de culinária em grupos a partir de 6 pessoas só sendo possível com marcações antecipadas.

Dormir na roça é uma experiência única quando se conhece a história das roças e se imagina as vivências da época. O meu quarto era muito bom, com duas frentes e uma vista soberba para a floresta e rio onde as mulheres lavam a roupa e para o ex hospital, edifício bonito. – Etelvira

E por fim, nada melhor que sorrir para as câmaras e tirar uma foto recordação 😀 😀

Roça São João dos Angolares

 Não há palavras para descrever a experiência no almoço de degustação. Tudo elaborado com tanto rigor, simpatia e amor e naturalmente com as sempre sábias e divertidas palavras do João Carlos Silva que é um contador de histórias. A refeição, é tão saborosa que nem dá para descrever – só mesmo para viver! – Sónia

Já esteve na Roça São João?